sábado, 23 de outubro de 2010

A Importância da Santa Ceia para a Igreja de Cristo:

A CEIA DO SENHOR (Mt 26:17-30 e I Co 11:23-32)

· Instituída pelo próprio Jesus (Lc 22:19).
Relembra um fato passado (na cruz) e anuncia um fato novo (nas nuvens). Na Ceia, passamos pelo Calvário e falamos ao mundo da esperança, da fé de que um dia participaremos de uma Ceia maravilhosa, desfrutando da presença de nosso Jesus.
· Deve ser observada por seus discípulos.
· Nós mesmos nos auto-examinamos para participar.
· Deve haver, reverência, discernimento e entendimento.
· O batismo está relacionado com o novo nascimento. A Ceia está relacionada com santificação, fortaleza, renovação, sustento, cura, alimento espiritual. Por isto deve ser mais constante.
· O batismo simboliza a nossa morte em relação ao mundo e ao pecado. A Ceia simboliza a morte de Cristo em nosso lugar.
· No batismo o crente se une a Cristo e na Ceia Cristo se une à Igreja.
· Quem não come o pão e não bebe do cálice não tem parte com o Senhor. Não basta só comer o pão ou somente beber do cálice. Ambos são fundamentais para que a união ocorra.
· A Ceia fala da união de Jesus em relação a nós porque envolve união. Também deve haver perfeita união entre nós, seus discípulos.
· Jesus é o pão da vida, o maná eterno. O pão simboliza o corpo de Jesus, o eterno cordeiro pascal. Cordeiro perfeito e imaculado.
· A vida está no sangue. O sangue de Jesus nos purifica de todo pecado e por isto é a seiva que nos faz viver. Jesus é a vida. O fruto da videira simboliza o sangue de Jesus derramado por nós.
· A Ceia representa o sacrifício de Jesus. É um novo pacto, uma nova aliança, um novo testamento. Para que um testamento tenha plena eficácia, é necessária a morte do testador.
· O pão e o fruto da videira continuam mantendo suas características normais. Não se transformam no corpo e no sangue de Cristo. Continuam sendo pão e suco de uva. O simbolismo é espiritual apenas. Quando Jesus falou “este é o meu corpo e este é o meu sangue” ele estava bem vivo, no meio dos discípulos. Ele queria dizer que os elementos simbolizam seu corpo e seu sangue. Não existe a transubstanciação, é somente simbolismo.
· Participar da ceia é mais que um simples memorial. O participante quando o faz, observando os mandamentos do Senhor, toma posse de todas as bençãos proporcionadas pelo sacrifício de Jesus.
· Quanto mais obedecemos aos mandamentos do Senhor, mais bênçãos recebemos e maior significado terão.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ A Importância da Santa Ceia para a Igreja de Cristo:
A Ceia do Senhor Jesus, é uma das Festas mais solene da Igreja, de muitíssima importância. A sua importância relaciona-se com o passado, o presente e futuro.
Sua importância no Passado: É um ato «memorial» (gr. anamnesis) da morte de Cristo no Calvário, para nos remir da condenação (Luc 22.19; 1 Cor 11.24-26). «...Fazei isto em memória de mim...». Este é um importante elemento na Ceia do Senhor Jesus. Trata-se de uma memorial em face de tudo quanto Cristo foi e fez pelos homens, sobre tudo em sua expiação. Umas das funções da Ceia do Senhor Jesus é de fazer-nos lembrar a redenção que possuímos através de Cristo, que estende potencialmente a todos os homens, tal como a páscoa levou a nação de Israel a lembrar-se de sua redenção da servidão no Egito. Na celebração da Santa Ceia, as nossas mentes se voltam para o Calvário, relembrando do Sacrifício de Jesus, em nosso favor. Embora, que em todo tempo devemos lembrar-nos deste Santo Sacrifício, todavia, temos um dia especifico e oportuno para esta comemoração e meditação. É também um ato de «ação de graças» (gr. eucharistia) pelos benefícios provenientes do sacrifício de Jesus Cristo (Mat 26.27,28; Marc 14.23; Luc 22.19). «...Fazei isto...», isto é, «repeti este rito memorial, em lembrança de minha pessoa». Cumpre-nos relembrar tudo quanto Cristo fez em prol da humanidade, na redenção e na esperança que Ele nos trouxe; não permitamos que a sua vida seja vã para conosco, reconheçamos a importância da mesma. Tudo isso devemos perenemente relembrar.
A ordenança sobre o elemento «memorial» da Ceia do Senhor Jesus, é levada a efeito para mostrar Cristo aos homens, para conservá-lo na lembrança dos crentes, e, sobretudo para relembra a «morte» de Cristo. É importante conservar o seu sacrifício expiatório perante os olhos dos homens. Este «memorial» entrou em vigor desde que Cristo encerrou a última refeição pascal com os seus discípulos, até à sua vinda. Por conseguinte, a Ceia do Senhor Jesus é uma forma especial de «ação de graças», pelo dom inefável de Jesus Cristo, o Redentor de todos os homens.
Sua importância no Presente: A Santa Ceia expressa a nossa «comunhão» (gr. koinonia) com Cristo e, de nossa participação nos benefícios oriundos da Sua morte sacrificial e ao mesmo tempo expressa a nossa «comunhão» com os demais membros do Corpo de Cristo (1 Cor 10.16,17). A Santa Ceia, a mesa do Senhor Jesus é o lugar onde Cristo, o hospedeiro, se encontra com os remidos, é a mesa onde os dons preciosíssimos são dados e recebidos. É o lugar onde Cristo se identifica com a necessidade humana, a verdadeira necessidade, a necessidade da alma. A Santa Ceia é o símbolo da nossa união com Cristo. É o sinal externo e visível de uma graça interna e invisível. A Santa Ceia é uma festa de «ação de graças» onde rompemos em louvor a Cristo. Lembre-nos que a Mesa é do Senhor Jesus, Ele é quem nos convida a participar deste ato glorioso, foi Ele que se ofereceu e se entregou por nós, o convite é de Cristo, o hospedeiro, nós somos os seus convidados. Que glorioso é saber que Cristo não está ausente, mas presente conosco, de uma forma tão tremenda, que dEle participamos, ao comermos do pão e bebermos do suco da videira, os elementos que representam essa comunhão.
Sua importância no Futuro: A Santa Ceia é um ato que antevê a volta iminente de Jesus Cristo para arrebatar a Sua Igreja e, um antegozo em podermos participar com Cristo, na Ceia das Bodas do Cordeiro (esta Ceia não é literal, mas figurada, espiritual, mística, pois lá (no reino celestial) não existe nem pão e nem suco de uva, (Luc 22.17,18,30; Apoc 19.9)). Uma das expectações de Paulo com relação à vinda de Cristo era a comemoração da Ceia do Senhor Jesus, quando esperançoso ele disse aos coríntios: «Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice, anunciais a morte do Senhor, até que ele venha» (1 Cor 11.26).
«...anunciais a morte do Senhor, até que ele venha». Cristo foi arrebatado de nós em sua presença física. Mas até mesmo essa sua presença física nos será restaurada. Paulo vivia na expectação diária desse acontecimento, visto que não esperava o grande intervalo da era da Igreja, que já se prolonga por quase vinte séculos. Mediante a adição destas palavras, ele determinou a prática contínua da ordenança da Ceia do Senhor, até à restauração da presença visível do Senhor Jesus. Isso ensina a «perpetuidade» desse rito; e vai de encontro a interpretação dos «hiperdispencionistas», os quais ensinam que o batismo em água e Ceia do Senhor Jesus não tinha por intuito fazer parte das atividades permanentes da era da Igreja, mas antes, que deveriam ser eliminados, como sucedeu a todos os ritos e cerimônias, a fim de que a pura graça reinasse sem quaisquer ordenanças que simbolize a fé cristã. Mateus (o único entre os evangelhos sinópticos) concorda com Paulo sobre o sabor escatológico e profético da Santa Ceia (Mat 26.29; 1 Cor 11.26). Nela não só exibimos a morte do Senhor Jesus, «até que ele venha», mas também pomo-nos a meditar o sobre o tempo em que ele voltará para celebrar a Sua Santa Comunhão com os que lhe pertence, em seu reino glorioso. Cada celebração da Ceia do Senhor Jesus é uma prelibação e antecipação profética do grande banquete de casamento que está sendo preparado para a Igreja.
As bênçãos e a segurança para aqueles que celebram a Santa Ceia
O Sacrifício de Jesus Cristo e a Santa Ceia estão inseparavelmente ligados. Consideramos que A Ceia do Senhor Jesus é um a «Festa espiritual em torno do Seu Sacrifício» (1 Cor 10.14-22). «Em memória de mim...» (Luc 22.19; 1 Cor 11.25,26). Visto que o sacrifício de Cristo tem que ser espiritualizado em tantos pontos, a linguagem acerca da Festa em torno de Seu sacrifício é indubitavelmente espiritualizada também, mas não deve ser despida do seu significado. Não participamos de um Cristo meramente físico, mas do Cristo Glorificado, o Deus que se encarnou. O modo pelo qual Cristo se mostra disponível para a nossa participação sobre a terra, hoje em dia, é presumivelmente na qualidade de Espírito Santo (João 14.16,17; 1 Cor 3.16).
Semelhantemente, quando Jesus tomou o pão e o vinho (fruto da vide) e deu aos Seus discípulos, dizendo: «Fazei isto em memória de mim», não estava simplesmente a exortá-los para que mantivessem boa comunhão entre si, mas estava transmitindo um rito mediante o qual podiam mostrar em símbolo a Sua Presença Eterna com a Sua Igreja. Assim é que a Igreja tem aceitado o simbolismo das ordenanças; o Batismo em Água e a Ceia do Senhor Jesus. No pão e no vinho (fruto da vide) o adorador recebe mediante a fé, o verdadeiro Corpo e o Sangue de Cristo. Porque celebrar a Santa Ceia é participar de tudo o que Cristo fez por nós. Nas águas do Batismo simbolicamente significa a identificação da pessoa com Jesus Cristo na Sua morte, sepultamento e ressurreição e também o seu ingresso no Corpo de Cristo, externando que a pessoa é Igreja de Cristo (Rom 6.3-5; Col 2.12). Com essas ações a Igreja simboliza sua fé; mediante disto, as ordenanças não são apenas ilustrações, «mas também canais prescritos para a recepção da graça Divina» Enquanto estamos neste mundo, as ordenanças e os símbolos são necessários. Somente um espírito desencarnado é que pode ignorar estes fatos. O cristianismo é uma religião espiritual e mística, mas, todavia, que tem os seus símbolos, que representam a verdade acerca do Cristianismo. Por isto, ao celebrarmos a Ceia do Senhor Jesus de modo correto e ordeiro, conforme os principio bíblicos, observando todo o estatuto para dela participarmos, podemos assegurar:
A) A Nossa genuína comunhão com Jesus Cristo: Ao participarmos da Santa Ceia estamos garantindo a nossa comunhão com Cristo, a Cabeça da Igreja. Afinal fomos chamados à comunhão com Jesus Cristo e através da Santa Ceia, ao participar-se dela é que nós demonstramos e provamos esta comunhão. A nossa comunhão com Cristo só é assegurada quando participamos do Seu Corpo e do Seu Sangue, quem não participa do Seu Corpo e do Seu Sangue não está em comunhão com Ele e, não tem a Vida Eterna (João 6.53–58). Ao celebrarmos da Santa Ceia, participamos da alegria, da vida, dos sofrimentos e da Glória de Jesus Cristo (2 Cor 1.3-7; 1 Ped 4.12-14). Afinal vivemos e participamos de Cristo (2 Cor 5.15). Cristo não é apenas o organizador da festa; Ele é a própria festa.
B) Nossa participação nos benefícios provindos do Sacrifício de Jesus Cristo: Na participação do Corpo e do Sangue de Cristo, demonstramos (tanto internamente como externamente) que seriamente temos aceitado o Sacrifício de Cristo e, que pela fé, assim fazendo, estamos compartilhando de todos os Benefícios oriundos daquEle Santo Sacrifício (Rom 3.24,25; 4.25; 5.6-21; 1 Cor 5.7; 10.16; Efés 1.5,7; 2.13; Cl 1.20; Heb 9-10; 1 Ped 1.18-21; Apoc 1.5). Ver o ponto acima.
C) Nossa comunhão com os demais membros do Corpo de Cristo: Primeiro é preciso termos comunhão com Cristo, a Cabeça do Corpo, mas também se faz necessário em ter comunhão como os demais membros do corpo de Cristo, a Sua Igreja (Atos 2.42: Filip 1.22; Col 1.18; 1 João 1.7). Ao celebrarmos a Santa Ceia de Cristo comprovamos a nossa «unidade espiritual» em Cristo Jesus e, que compartilhamos dos mesmos propósitos, da mesma fé, do mesmo amor, da mesma Palavra, das mesmas promessas, da mesma pureza e da esperança futura com Cristo na Sua Glória (João 17.21; Atos 20.34-38; Rom 12.5,10-20; 1 Cor 10.17; 12.12-27; Gál 3.28; Efés 4.13; 2 Tim 2.3). A Santa Ceia reúne todos os comprometidos com Cristo em torno dEle, pois está Presente conosco. Ninguém pode dizer que está em comunhão com Jesus Cristo e conosco se não participar do Seu Corpo e do Seu Sangue (João 6.53-58).
Ao Celebrarmos a Santa Ceia, estamos assegurando o nosso Arrebatamento para o céu: Alguém pode chegar a pensar que o arrebatamento da Igreja e a Ceia do Senhor Jesus são casos distintos, ou que o arrebatamento independe da celebração da Santa Ceia de Cristo. Todavia, aqueles que não participam da Santa Ceia de Cristo ou participam indignamente, podem estar preparados para o arrebatamento da Igreja de Cristo? a) Como estão preparados se não estão em comunhão com Cristo e com a Sua Igreja! b) Se não estão discernindo o Corpo e o Sangue de Cristo, nos elementos da Santa Ceia! c) Não estão participando dos benefícios oriundos do Sacrifício de Jesus Cristo! d) Se não estão em santificação! Por isso, dissemos com precisão, aqueles que comem o pão e o cálice do Senhor Jesus, conforme o estatuto contido nestes ensinamentos, estão preparados para a qualquer momento serem arrebatados (Sal 24.3-5; Mat 5.8; Col 2.10; Heb 12.14; 1 Cor 11.29). Por conseguinte, a Ceia do Senhor Jesus é o nosso «alimento e bebida espiritual» que satisfaz os anseios da nossa alma, significando participação no Cristo ressuscitado, garantindo-nos a Vida Eterna (João 6.32-32,48-58). Não podemos esquecer, que o simbolismo da Santa Ceia expressa a realidade espiritual e mística, da nossa participação no Sangue e no Corpo de Cristo. Sem essa participação espiritual e mística (contato genuíno), simbolizada pelo pão e pelo suco de uva, não temos qualquer garantia de salvação.

Ceia do Senhor e a Páscoa

Ceia do Senhor e a Páscoa
Texto base: 1Co 11:17-34
Gostaríamos de comentar um paralelo, existente entre a Ceia do Senhor e a Páscoa, e este assunto merece consideração para que possamos ter uma melhor concepção da profundidade que é a Ceia.
A páscoa, foi instituída por Deus, através de Moisés, (Êxodo cap 12), e também representa um "memorial", ou seja algo para ser lembrado, que não poderia ser esquecido.
O povo de Deus, estava oprimido, escravizado, no Egito e Deus retirou-os com sua mão forte, daquela servidão. Na noite que ocorreu o livramento, Deus havia ordenado, que cada família preparasse um cordeiro ou cabrito, este, deveria ser sem defeito, macho de um ano, que seria imolado, sacrificado no crepúsculo da tarde, o seu sangue aspergido em ambas as ombreiras, e na verga das portas, das casas que quisessem aceitar aquela ordenança.
Fato é, que todos que não participaram daquele cerimonial, tiveram seus primogênitos mortos naquela noite, pois, havia um pacto de sangue, entre Deus e os filhos de Israel, que consistia em aspergir o sangue, utilizar o mesmo, como sinal de proteção e confiança em Jeová.
A Ceia, para nós, também foi instituída pelo próprio Deus, através do ministério terreno de Jesus, consiste também num memorial, em forma de ordenança para a Igreja Neotestamentária, onde foi proposto um novo pacto de sangue. Este, que supera o pacto veterotestamentário, pois, foi o sangue de um homem justo, imaculado, para não dizer que era o Filho de Deus, o Verbo que se fez carne e habitou entre nós (João 1:14).
Por que dizer superior?
1º - Foi feito uma única vez, não precisando mais de sacrificar animais inocentes, para pagarem pelos pecados dos homens. (Hb 9:12-14,24)
2º - Foi feito voluntariamente, como ovelha muda, foi levado ao matadouro. (Is 53:7).
3º - Ele levou sobre si todos os nossos pecados, a fim de nos dar paz eterna. (Is 53:4-7).
Hoje, a Igreja não comemora mais a páscoa, pois a Ceia a substitui, por completo. Mas percebemos um paralelo real, pois, Jesus Cristo é o Cordeiro pascal, que foi sacrificado para proteger os primogênitos de Israel, através do sangue aspergido, porém devido ao seu sacrifício eterno, vicário, esta prática foi substituída pela Ceia que se compõe do vinho representando o sangue de Cristo e pelo pão representando seu corpo.
A Ceia, é servida a todos aqueles que tiveram uma experiência real com Jesus, que resultou no novo nascimento, nunca a criança ou descrentes, tem como objetivo a comunhão do corpo, em torno do cabeça da Igreja que é Jesus Cristo, desta forma ao participarmos da mesa, estamos anunciando a morte de Jesus, na cruz, e anunciando a sua vitória frente as potestades, pois, na sua morte selou o testamento, feito no seu sangue, e Deus, sempre que vê a Igreja celebrando a Ceia, se recorda desta aliança, e da aceitação do sacrifício de Jesus.
Vejamos algumas aplicações:
- Pão: (corpo) - Encarnação:
- o verbo se fez carne e habitou entre nós.
- Jesus é o pão vivo que desceu do céu.
* Logo somos alimentados espiritualmente na Ceia.
- Vinho: (sangue) - Expiação:
- Sem derramamento de sangue não há remissão de pecados (Hb 9:22).
- O sangue representava, a própria vida de Jesus.
* Portanto, na Ceia, recordamos o sacrifício eterno e somos vivificados pelo seu sangue.
- Memorial, por que?: Para ficar bem claro, em nossas mentes, e ser passado às gerações.
- Valor: Imensurável, representa além da comunhão, a posse de um testamento, pois, este só tem valor após a morte do testador (1Co 11:25), nele reza, o compromisso da redenção e justificação. (Rm 3:23-26).
- Responsabilidade: Quando temos saúde é sinal que o nosso corpo, organismo está em comunhão. Para que esta saúde permaneça, temos que nos examinar, a cada momento. Da mesma forma é a ação da Ceia do Senhor, no corpo místico de Cristo que é a Igreja, pois devemos nos examinar, pois, aquele que isto faz, impede que outros emitam juízo negativo sobre sua conduta, com isto, ele discerne o corpo de Cristo, obtendo saúde para si e proporcionando harmonia em todo o corpo, quem não observa contamina todo o corpo, com suas ações, e a si próprio em primeiro lugar. (1Co 11:20-34).
Portanto, os participantes da Ceia, devem fazê-lo conscientes, do seu valor e significado, que além da comunhão, é a própria essência da vida do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
Que nada nos tire da presença do Senhor, pois, "se Ele é por nós quem será contra nós?" Portanto, valorize este memorial, como testemunho constante de uma vida espiritual contínua.
Deus lhes abençoe em Cristo.

A MESA DO SENHOR –

A MESA DO SENHOR –
1. COMUNHÃO -
Mat. 26.26-29
A Ceia do Senhor é um culto de
comunhão que cada crente em conjunto
com os outros irmãos na fé realizam
para Jesus Cristo. Sob o seu
mandamento “Fazei isto em memoria
de Mim até que venha” a Ceia do
Senhor é um meio dos irmãos
expressarem comunhão entre todos e
com Deus, mas também um meio de
exprimir todo o louvor e gratidão ao
nosso Senhor Salvador.
2. TÍTULOS DADOS A ESTA ORDENAÇÃO
a) A Ceia do Senhor - I Coríntios 11.20
b) A Mesa do Senhor - I Coríntios 10.21
c) A Comunhão - I Coríntios 10.16
Não lemos na Palavra de Deus acerca de Santa Ceia ou Eucaristia. Estes termos são criações humanas.
3. QUEM INSTITUIU A COMUNHÃO?
d) O Senhor Jesus Cristo - na Festa da Páscoa – Mateus 26.17-19; Marcos 14.22-26; Lucas 22.15-20
4. OS SÍMBOLOS USADOS NA COMUNHÃO
e) A mesa - I Coríntios 10.21 e Lucas 22.30
f) Pão - I Coríntios 10.16 e Lucas 22.19
g) Cálice (não é o vinho)- I Coríntios 10.16 e Lucas 22.17-20
5. O SIGNIFICADO DOS SÍMBOLOS
h) Mesa: Lugar de amor e comunhão – Levíticos 24.5-9 ; Salmo 23.5 e Apocalípse 3.20
Precisamos participar da Ceia para firmar a nossa comunhão e amor entre os irmãos.
i) Pão: - representa Seu Corpo – o Corpo do Senhor Jesus. – Mateus 26.26
Não representa a Igreja, o Corpo de Cristo, como muitos dizem, mas sim o corpo de Jesus
j) Cálice: Representa Comunhão no Seu sangue, significa a Nova Aliança – Mateus 26.27-28; I Coríntios 11.25
6. FIGURAS NO ANTIGO TESTAMENTO DA COMUNHÃO?
k) O corpo e o sangue do cordeiro pascal apontava para a Mesa do Senhor – Êxodo 12 e Marcos 14.12
l) A mesa dos pães de proposição no tabernáculo de Moisés – Lev 24.5-9; Êxodo 25.23-30.
7. ATITUDES NA CEIA DO SENHOR
m) Desejo de participar – Lucas 22.14-15
n) Com fé, porque sem fé é impossível agragar-Lhe – Hebreus 11.6 e Romanos 14.23
o) Lembrando do sacrifício de Jesus (memorial) - I Coríntios 11.24-25
p) Com gratidão – Lucas 22.17
q) Participando juntos - I Coríntios 11.33:
• NOTAS:
Jesus nosso grande Sumo-sacerdote instituiu a Ceia e nós como sacerdotes participamos, juntos.
É muito importante viver a Ceia do Senhor com espírito de adoração.

AS PALAVRAS E AÇÕES DE JESUS NA CEIA DO SENHOR

CEIA DO SENHOR,  AS PALAVRAS E AÇÕES DE JESUS NA CEIA DO SENHOR
Para entender o significado completo da Ceia do Senhor, temos que examinar cuidadosamente o que Jesus falou e fez na ceia última ceia com seus discípulos.
“ESTE É O MEU CORPO”
Todas as fontes bíblicas dizem a mesma coisa sobre o que Jesus fez quando ele começou a ceia (veja Mateus 26:26; Marcos 14:22; Lucas 22:19; 1 Coríntios 11:23-24).
Ele fez três coisas:
1. Ele pegou o pão
2. Ele agradeceu a Deus
3. Ele partiu o pão
Curiosamente, como vemos em Marcos 6;41 e Marcos 8:6, ele fez as mesmas três coisas quando ele alimentou os cinco mil e os outros quatro mil.
De acordo com os quatro relatos da última ceia, o que ele disse quando pegou o pão foi “este é o meu corpo”. Há diferentes opiniões sobre o significado preciso dessas palavras. Mas, o que é certo é que Jesus estava indicando que ele daria o seu corpo em sacrifício para que nós tivéssemos vida.
Isso se encontra mais claro em 1 Coríntios 11:24, aonde esta escrito “Esse é o meu corpo que entregue por vós” (ou em alguns manuscritos mais antigos “Esse é o meu corpo que é partido por vós”).
“FAZEI ISSO EM MEMÓRIA DE MIM”
De cara, essa instrução pareceria o jeito que Jesus encontrou de dizer aos seus seguidores que repetissem essa ação como um sacramento, ou uma cerimônia religiosa, através dos tempos. Mas, como essa ordem só é encontrada em Lucas 22:19 e 1 Coríntios 11:24, algumas pessoas argumentam que o Senhor não tinha a intenção que aquela atitude fosse repetida. Será que este argumento está correto? Provavelmente não.
Nós temos que lembrar que todos os evangelhos foram escritos quando o partir do pão já era uma prática comum na vida da igreja. Mateus e Marcos, no entanto, podem ter achado desnecessário expressar a intenção de Jesus com essas palavras. Mas mesmo entre os cristãos que concordam que Jesus queria que seus seguidores observassem a ceia do Senhor como algo contínuo, há diferentes opiniões quanto a interpretação dessas palavras.
Na igreja católica romana, por exemplo, “faça isso” foi interpretado como “ofereça isso”, e a palavra “em memória” foi entendida como se indicando uma representação do sacrifício de Cristo perante o Pai. Portanto na teologia católica, a comunhão é uma espécie de repetição da morte de Cristo. É considerado um sacrifício. A visão católica tem uma longa tradição do seu lado. No século dois, escritores cristãos se referiam à eucaristia como um “sacrifício”. No entanto, protestantes tem considerado geralmente uma outra visão.
Para os protestantes, a comunhão não é para repetir o sacrifício de Cristo, mas para relembrar com gratidão que Cristo nos amou a ponto de morrer por nós. Talvez as posições dos católicos e dos protestantes não estão tão distantes uma da outra como parece em primeira instância. Muitas afirmações dos católicos romanos têm enfatizado o quanto o sacrifício de Cristo na cruz é suficiente e completo.
E muitos estudiosos protestantes, apesar de não quererem introduzir um entendimento sacrifical a ceia, enfatizam que “em memória” é mais do que simplesmente se lembrar do que aconteceu no passado. No pensamento bíblico, “em memória” normalmente envolve fazer real no presente o que foi feito no passado (veja Salmos 98:3; Eclesiastes 12:1).
“ESTE É O CÁLICE DA NOVA ALIANÇA”
Jesus pegou uma taça de vinho, deu graças e deu a seus discípulos para que todos eles bebessem. Esse foi o mesmo jeito que ele fez quando distribuiu o pão. Mas nas palavras Jesus falou do vinho, ele introduziu um novo conceito na discussão sobre a aliança. Mateus e Marcos recordam as palavras de Jesus como “isto é o meu sangue, o sangue da nova aliança” (Mateus 26:28; Marcos 14:24). Lucas 22:20 fala “Este é o cálice da Nova Aliança no meu sangue derramado por vós” e 1 Coríntios 11:25 é semelhante a isso.
Todas essas referências à aliança nos levam de volta ao ritual do Velho Testamento de fazer uma aliança (um acordo ou tratado) com sacrifício, como na aliança entre Deus e Israel depois do Êxodo (Êxodo 24:1-8). Eles também sugerem que a esperança de uma nova aliança, descrita em Jeremias 31:31-34, foi realizada em Cristo.
“É DERRAMADO PARA PERDOAR OS PECADOS DE MUITOS”
O significado da morte de Cristo como um sacrifício está ligado com um entendimento da páscoa e da aliança. No entanto, é importante que nós reconheçamos que a ceia do Senhor também está ligada com o que Isaías 53 diz sobre o Servo sofrido do Senhor se colocou “por expiação do pecado” (Isaías 53:10).
Lucas 22:37 inclui entre as palavras de Jesus: “Porquanto vos digo que importa que se cumpra em mim isto que está escrito: E com os malfeitores foi contado. Pois o que me diz respeito tem seu cumprimento.” O verso que Jesus cita - Isaías 53:12 - também diz que “derramou a sua alma até a morte,” e que ele ; “levou sobre si o pecado de muitos”. Mateus 26:28 diz que o sangue de Jesus foi “derramado por muitos para remissão dos pecados”. A taça da comunhão, então, deve nos lembrar do sangue de Jesus derramado como uma oferta para cuidar de nossos pecados.

Varios estudos sobre a Ceia do senhor

Varios estudos sobre a Ceia do senhor

Vinho Embriagante na Ceia do Senhor: Correto?
O Vinho nos Tempos do Novo Testamento
Vinho fermentado ou não fermentado? Segue-se um exame da palavra bíblica mais comumente usada para vinho. A palavra grega para “vinho”, em Lc 7.33, é oinos. Oinos pode referir-se a dois tipos bem diferentes de suco de uva: (1) suco não fermentado, e (2) vinho fermentado ou embriagante. Esta definição apóia-se nos dados abaixo.
(1) A palavra grega oinos era usada pelos autores seculares e religiosos, antes da era cristã e nos tempos da igreja primitiva, em referência ao suco fresco de uva (ver Aristóteles, Metereologica, 387.b.9-13). (a) Anacreontes (c. de 500 a.C.) escreve: “Esprema a uva, deixe sair o vinho [oinos]” (Ode 5). (b) Nicandro (século II a.C.) escreve a respeito de espremer uvas e chama de oinos o suco daí produzido (Georgica, fragmento 86). (c) Papias (60-130 d.C.), um dos pais da igreja primitiva, menciona que quando as uvas são espremidas produzem “jarros de vinho” [oinos] (citado por Ireneu, Contra as Heresias, 5.33.3-4). (d) Uma carta em grego escrita em papiro (P.Oxy, 729; 137 d.C.), fala de “vinho [oinos] fresco, do tanque de espremer” (ver Moulton e Milligan, The Vocabulary of the Greek Testament, p. 10). (e) Ateneu (200 d.C.) fala de um vinho [oinos] doce, que “não deixa pesada a cabeça” (Ateneu, Banquete, 1.54). Noutro lugar, escreve a respeito de um homem que colhia uvas “acima e abaixo, pegando vinho [oinos] no campo” (1.54). Para considerações mais pormenorizadas sobre o uso de oinos pelos escritores antigos, ver Robert P. Teachout: “O emprego da Palavra Vinho no Antigo Testamento”. (Dissertação de Th.D. no Seminário Teológico de Dallas, 1979).
(2) Os eruditos judeus que traduziram o AT do hebraico para o grego cerca de 200 a.C. empregaram a palavra oinos para traduzir várias palavras hebraicas que significam vinho. Noutras palavras, os escritores do NT entendiam que oinos pode referir-se ao suco de uva, com ou sem fermentação.
(3) Quanto à literatura grega secular e religiosa, um exame de trechos do NT também revela que oinos pode significar vinho fermentado, ou não fermentado. Em Efésios 5.18, o mandamento: “não vos embriaguez com vinho [oinos] refere-se ao vinho alcoólico. Por outro lado, em Ap 19.15 Cristo é descrito pisando o lagar. O texto grego diz: “Ele pisa o lagar do vinho” [oinos]; o oinos que sai do lagar é suco de uva (ver Is 16.10; Jr 48.32,33). Em Ap 6.6, oinos refere-se às uvas da videira como uma safra que não deve ser destruída. Logo, para os crentes dos tempos do NT, “vinho” (oinos) era uma palavra que podia ser usada para duas bebidas distintivamente diferentes, extraídas da uva: o vinho fermentado e o não fermentado.
(4) Finalmente, os escritores romanos antigos explicam com detalhes, vários processos usados para tratar o suco de uva recém-espremido, especialmente as maneiras de evitar sua fermentação. (a) Columela (Da Agricultura, 12.29, sabendo que o suco de uva não fermenta quando mantido frio (abaixo de 10 graus C.) e livre de oxigênio, escreve da seguinte maneira: “Para que o suco de uva sempre permaneça tão doce como quando produzido, siga estas instruções: Depois de aplicar a prensa às uvas, separe o mosto mais novo [i.e., suco fresco], coloque-o num vasilhame (amphora) novo, tampe-o bem e revista-o muito cuidadosamente com piche para não deixar a mínima gota de água entrar; em seguida, mergulhe-o numa cisterna ou tanque de água fria, e não deixe nenhuma parte da ânfora fica acima da superfície. Tire a ânfora depois de quarenta dias. O suco permanecerá doce durante um ano” (ver também Columela: Agricultura e Árvores; Catão: Da Agricultura). O escritor romano Plínio (século I d.C.) escreve: “Tão logo tiram o mosto [suco de uva] do lagar, colocam-no em tonéis, deixam estes submersos na água até passar a primeira metade do inverno, quando o tempo frio se instala” (Plínio , História Natural, 14.11.83). Este método deve ter funcionado bem na terra de Israel (ver Dt 8.7; 11.11,12; Sl 65.9-13). (b) Outro método de impedir a fermentação das uvas é fervê-las e fazer um xarope (para mais detalhes, ver o próximo estudo “O Vinho nos Tempos do Novo Testamento”). Historiadores antigos chamavam esse produto de “vinho” (oinos). O Cônego Farrar (Smith´s Bible Dictionary), p. 747) declara que “os vinhos assemelhavam-se mais a xarope; muitos deles não eram embriagantes”. Ainda, O Novo Dicionário da Bíblia (p. 1665) observa que “sempre havia meios de conservar doce o vinho durante o ano inteiro”.

O uso do Vinho na Ceia do Senhor
Jesus usou uma bebida fermentada ou não fermentada de uvas, ao instituir a Ceia do Senhor (Mt 26.26-29; Mc 14.22-25; Lc 22.17-20; 1 Co 11.23-26)? Os dados abaixo levam à conclusão de que Jesus e seus discípulos beberam no dito ato suco de uva não fermentado.
(1) Nem Lucas nem qualquer outro escritor bíblico emprega a palavra “vinho” (gr. oinos) no tocante à Ceia do Senhor. Os escritores dos três primeiros Evangelhos empregam a expressão “FRUTO DA VIDE” (Mt 26.29; Mc 14.25, Lc 22.18). O vinho não fermentado é o único “fruto da vide” verdadeiramente natural, contendo aproximadamente 20% de açúcar e nenhum álcool. A fermentação destrói boa parte do açúcar e altera aquilo que a videira produz. O vinho fermentado não é produzido pela videira [não é “fruto da vide”].
(2) Jesus instituiu a Ceia do Senhor quando Ele e seus discípulos estavam celebrando a Páscoa. A lei da Páscoa em Ex 12.14-20 proibia, durante a semana daquele evento, a presença de seor (Ex 12.15), palavra hebraica para fermento ou qualquer agente fermentador. Seor, no mundo antigo, era frequentemente obtido da espuma espessa da superfície do vinho quando em fermentação. Além disso, todo o hametz (i.e., qualquer coisa fermentada) era proibido (Êx 12.19; 13.7). Deus dera essas leis porque a fermentação simbolizava a corrupção e o pecado (cf. Mt 16.6,12; 1 Co 5.7,8). Jesus, o Filho de Deus, cumpriu a lei em todas as suas exigências (Mt 5.17). Logo, teria cumprido a lei de Deus para a Páscoa, e não teria usado vinho fermentado.
(3) Um intenso debate perpassa os séculos entre os rabinos e estudiosos judaicos sobre a proibição ou não dos derivados fermentados na videira durante a Páscoa. Aqueles que sustentam uma interpretação mais rigorosa e literal das Escrituras hebraicas, especialmente Ex 13.7, declaram que nenhum vinho fermentado devia ser usado nessa ocasião.
(4) Certos documentos judaicos afirmam que o uso do vinho não fermentado na Páscoa era comum nos tempos do NT. Por exemplo: “Segundo os Evangelhos Sinóticos, parece que no entardecer da quinta-feira da última semana de vida aqui, Jesus entrou com seus discípulos em Jerusalém, para com eles comer a Páscoa na cidade santa; neste caso, o pão e o vinho do culto de Santa Ceia instituído naquela ocasião por Ele, como memorial, seria o pão asmo e o vinho não fermentado do culto Seder (ver “Jesus”, The Jewish Encyclopaedia, edição de 1904, V.165).
(5) No AT, bebidas fermentadas nunca deviam ser usadas na casa de Deus, e um sacerdote não podia chegar-se a Deus em adoração se tomasse bebida embriagante (Lv 10.9). Jesus Cristo foi o Sumo Sacerdote de Deus do novo concerto, e chegou-se a Deus em favor do seu povo (Hb 3.1; 5.1-10).
(6) O valor de um símbolo se determina pela sua capacidade de conceituar a realidade espiritual. Logo, assim como o pão representava o corpo puro de Cristo e tinha que ser pão asmo (i.e., sem a corrupção da fermentação), o fruto da vide, representando o sangue incorruptível de Cristo, seria melhor representado por suco de uva não fermentado (cf. 1 Pe 1.18-19). Uma vez que as Escrituras declaram explicitamente que o corpo e sangue de Cristo não experimentaram corrupção (Sl 16.10; At 2.27; 13.37), esses dois elementos são corretamente simbolizados por aquilo que não é corrompido nem fermentado.
(7) Paulo determinou que os coríntios tirassem dentre eles o fermento espiritual, i.e., o agente fermentador “da maldade e da malícia”, porque Cristo é a nossa Páscoa (1 Co 5.6-8). Seria contraditório usar na Ceia do Senhor um símbolo da maldade, i.e., algo contendo levedura ou fermento, se considerarmos os objetivos dessa ordenança do Senhor, bem como as exigências bíblicas para dela participarmos (Fonte: Bíblia de Estudo Pentecostal, p.1517-19).
Portanto, o suco de uva não embriagante e não fermentado é a bebida mais apropriada para representar o sangue de Jesus na Ceia do Senhor. Por coerência, o pão, representativo do corpo de Cristo, deve ser sem fermento. O vinho fermentado é uma bebida alcoólica. Um sacerdote que tome vários goles de vinho dessa natureza por dia, em celebrações várias, tende a se tornar viciado. Qualquer espécie de bebida que contenha álcool é considerada uma droga, capaz de levar a dependência. A cachaça, por exemplo, é uma droga. Os ex-alcoólatras são orientados para não tomarem o primeiro gole, a fim de não desencadear um impulso incontrolável. O fornecimento de bebida embriagante a irmãos nessa situação, por ocasião da Ceia, seria desaconselhável.

Estudo correlato: “O Pão, o Vinho e o Corpo de Jesus”