sábado, 23 de outubro de 2010

Ceia do Senhor e a Páscoa

Ceia do Senhor e a Páscoa
Texto base: 1Co 11:17-34
Gostaríamos de comentar um paralelo, existente entre a Ceia do Senhor e a Páscoa, e este assunto merece consideração para que possamos ter uma melhor concepção da profundidade que é a Ceia.
A páscoa, foi instituída por Deus, através de Moisés, (Êxodo cap 12), e também representa um "memorial", ou seja algo para ser lembrado, que não poderia ser esquecido.
O povo de Deus, estava oprimido, escravizado, no Egito e Deus retirou-os com sua mão forte, daquela servidão. Na noite que ocorreu o livramento, Deus havia ordenado, que cada família preparasse um cordeiro ou cabrito, este, deveria ser sem defeito, macho de um ano, que seria imolado, sacrificado no crepúsculo da tarde, o seu sangue aspergido em ambas as ombreiras, e na verga das portas, das casas que quisessem aceitar aquela ordenança.
Fato é, que todos que não participaram daquele cerimonial, tiveram seus primogênitos mortos naquela noite, pois, havia um pacto de sangue, entre Deus e os filhos de Israel, que consistia em aspergir o sangue, utilizar o mesmo, como sinal de proteção e confiança em Jeová.
A Ceia, para nós, também foi instituída pelo próprio Deus, através do ministério terreno de Jesus, consiste também num memorial, em forma de ordenança para a Igreja Neotestamentária, onde foi proposto um novo pacto de sangue. Este, que supera o pacto veterotestamentário, pois, foi o sangue de um homem justo, imaculado, para não dizer que era o Filho de Deus, o Verbo que se fez carne e habitou entre nós (João 1:14).
Por que dizer superior?
1º - Foi feito uma única vez, não precisando mais de sacrificar animais inocentes, para pagarem pelos pecados dos homens. (Hb 9:12-14,24)
2º - Foi feito voluntariamente, como ovelha muda, foi levado ao matadouro. (Is 53:7).
3º - Ele levou sobre si todos os nossos pecados, a fim de nos dar paz eterna. (Is 53:4-7).
Hoje, a Igreja não comemora mais a páscoa, pois a Ceia a substitui, por completo. Mas percebemos um paralelo real, pois, Jesus Cristo é o Cordeiro pascal, que foi sacrificado para proteger os primogênitos de Israel, através do sangue aspergido, porém devido ao seu sacrifício eterno, vicário, esta prática foi substituída pela Ceia que se compõe do vinho representando o sangue de Cristo e pelo pão representando seu corpo.
A Ceia, é servida a todos aqueles que tiveram uma experiência real com Jesus, que resultou no novo nascimento, nunca a criança ou descrentes, tem como objetivo a comunhão do corpo, em torno do cabeça da Igreja que é Jesus Cristo, desta forma ao participarmos da mesa, estamos anunciando a morte de Jesus, na cruz, e anunciando a sua vitória frente as potestades, pois, na sua morte selou o testamento, feito no seu sangue, e Deus, sempre que vê a Igreja celebrando a Ceia, se recorda desta aliança, e da aceitação do sacrifício de Jesus.
Vejamos algumas aplicações:
- Pão: (corpo) - Encarnação:
- o verbo se fez carne e habitou entre nós.
- Jesus é o pão vivo que desceu do céu.
* Logo somos alimentados espiritualmente na Ceia.
- Vinho: (sangue) - Expiação:
- Sem derramamento de sangue não há remissão de pecados (Hb 9:22).
- O sangue representava, a própria vida de Jesus.
* Portanto, na Ceia, recordamos o sacrifício eterno e somos vivificados pelo seu sangue.
- Memorial, por que?: Para ficar bem claro, em nossas mentes, e ser passado às gerações.
- Valor: Imensurável, representa além da comunhão, a posse de um testamento, pois, este só tem valor após a morte do testador (1Co 11:25), nele reza, o compromisso da redenção e justificação. (Rm 3:23-26).
- Responsabilidade: Quando temos saúde é sinal que o nosso corpo, organismo está em comunhão. Para que esta saúde permaneça, temos que nos examinar, a cada momento. Da mesma forma é a ação da Ceia do Senhor, no corpo místico de Cristo que é a Igreja, pois devemos nos examinar, pois, aquele que isto faz, impede que outros emitam juízo negativo sobre sua conduta, com isto, ele discerne o corpo de Cristo, obtendo saúde para si e proporcionando harmonia em todo o corpo, quem não observa contamina todo o corpo, com suas ações, e a si próprio em primeiro lugar. (1Co 11:20-34).
Portanto, os participantes da Ceia, devem fazê-lo conscientes, do seu valor e significado, que além da comunhão, é a própria essência da vida do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
Que nada nos tire da presença do Senhor, pois, "se Ele é por nós quem será contra nós?" Portanto, valorize este memorial, como testemunho constante de uma vida espiritual contínua.
Deus lhes abençoe em Cristo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário